segunda-feira, 28 de abril de 2014

Rota mística de mais de 700km, normalmente, é feita a pé ou de bicicleta. Evandro e Josimar usaram bicicletas adaptadas para pedalar com as mãos.



Dois cadeirantes e um plano ambicioso: percorrer o caminho de Santiago de Compostela, na Espanha. Uma rota mística de mais de 700 quilômetros - normalmente feita a pé ou de bicicleta.
Mas para Evandro e Josimar o caminho vai ser diferente.
“Hoje nós pegamos com muito frio, com muita chuva, deu até tremedeira na hora de sair ali”, relatou Evandro Bonocchi.
Evandro e Josimar usaram bicicletas adaptadas para pedalar com as mãos. Também contaram com a ajuda de um grupo de ciclistas.

“Em muitas partes do caminho a gente contou com duas bikes cada um, guinchando a gente”, conta Evandro.
O Evandro ficou paraplégico depois de um acidente de moto, há oito anos. Josimar, depois de um acidente de carro, em 2003. Se conheceram e ficaram amigos em São José dos Campos, cidade onde moram no interior de São Paulo.

Em setembro deste ano, Josimar embarcou no antigo sonho de Evandro. “Eu tive notícia desse caminho há 17 anos. Um amigo contou para mim e eu fiquei encantado”, diz Evandro.

“Ele me convidou e eu aceitei. Eu gosto de fazer força. Eu gosto de desafio”, conta Josimar Sena da Silva.
Nossos viajantes registraram a aventura. Veja no vídeo acima. Descidas perigosas também deram trabalho. Mas nada que desanimasse a dupla. Eles dormiram em albergues - alguns próprios para cadeirantes.
No caminho, eles cumpriram alguns rituais. Teve até uma benção especial, de uma espécie de monge.

Na chegada a Santiago de Compostela, um último imprevisto: uma escadaria, vencida com ajuda dos amigos. E, finalmente, a euforia toma conta.

O Núcleo Curitiba e região do FÓRUM sobre MEDICALIZAÇÃO convida educadores, psicólogos, fonoaudiólogos e demais interessados para o Encontro Temático Aberto, com a fonouadióloga e doutora em Linguística pela UFPR, Giselle Massi.


O Núcleo Curitiba e região do FÓRUM sobre MEDICALIZAÇÃO convida educadores, psicólogos, fonoaudiólogos e demais interessados para o Encontro Temático Aberto, com a fonouadióloga e doutora em Linguística pela UFPR, Giselle Massi.
Nossos eventos são gratuitos.

https://www.facebook.com/events/631592940255255/

EMPREGABILIDADE, INFORMAÇÃO, INCLUSÃO E A PESSOA COM DEFICIÊNCIA SECIONAL

AOB SP

Abertura

Dr. Marcos da Costa
Presidente da OAB SP.

Dr. Antonio Rulli Neto
Presidente da Comissão de Direito da Pessoa com Deficiência OAB SP; Doutor em Direito pela USP e Docente do Programa de Mestrado em Direito da Sociedade da Informação da FMU.

Dra.Regina Célia Martinez
Advogada; Doutora em Direito pela PUC SP e Docente do Programa de Mestrado em Direito da Sociedade da Informação da FMU.


1o Painel – 9h30
TRANSTORNO DO ESPECTRO DO AUTISMO

Expositores
Dr. Antonio Rulli Neto

Dra. Grace Pereira
Radialista; Graduada em Letras e Pós-Graduada em Política, Educação e Sociedade pela Universidade Cidade de São Paulo. E ex-presidente da ABADS.

Dra. Eliana Curatolo
Médica;Mestre em Psiquiatria e Membro da Comissão Científica do Centro de Capacitação e Atendimento Neuropsicológico de Angola – CECANA.


****


2o Painel – 11 horas
DEFICIÊNCIA INTELECTUAL

Expositores
Dra. Regina Célia Martinez

Dra. Ângela Gonçalves
Médica Neuropediatra na área de deficiência intelectual há mais de vinte anos.


Inscrições / Informações
Mediante a doação de uma lata ou pacote de leite integral em pó – 400g, no ato da inscrição.
Praça da Sé, 385 – Térreo – Atendimento ou pelo site: www.oabsp.org.br


Promoção
Comissão dos Direitos das Pessoas com Deficiência da OAB SP


Apoio 
Departamento de Cultura e Eventos da OAB SP
Diretor: Dr. Umberto Luiz Borges D’Urso


***Serão conferidos certificados de participação - retirar em até 90 dias***
**Vagas limitadas**


Dr. Marcos da Costa
Presidente em exercício da OAB SP

Data / Horário:5 de maio (segunda-feira) 9 horas

Local:Salão Nobre da OAB SP
Praça da Sé, 385 – 1° andar
 
Inscreva-se aqui

Menino cadeirante supera limitações e descobre paixão pelo taekwondo

Duas vezes por semana, o pequeno Luigi Palumbo, de cinco anos, encontra os coleguinhas na academia de artes marciais em Campo Grande para praticar o taekwondo, seu esporte preferido. A turma aprende os movimentos básicos da modalidade e se diverte com as brincadeiras propostas pelo mestre. Luigi é alegre e esperto como as outras crianças, mas a condição de cadeirante faz dele um exemplo de superação. É por meio do esporte que a família procura dar ao menino uma vida perfeitamente normal.
Luigi Palumbo pratica com o mestre de taekwondo, Tiago Brandão (Foto: Hélder Rafael)Luigi Palumbo pratica com o mestre de taekwondo, Tiago Brandão (Foto: Hélder Rafael)


Luigi nasceu com má formação do tubo neural na espinha dorsal, o que impede o movimento dos membros inferiores. Esse defeito congênito é chamado de mielomeningocele. Logo que entrou para a vida escolar, o menino recebeu incentivo dos pais para praticar esportes e adotar um estilo de vida saudável. Luigi chegou a iniciar no karatê, mas depois que mudou de colégio, conheceu o taekwondo por indicação de uma colega de classe, que também fazia aulas. 

- Nós o incentivamos porque, além de ser uma atividade física, o esporte é um meio de inclusão. Aqui ele é bem recebido pelos colegas, todos o adoram. Ele participa das aulas em iguais condições. Tudo isso trouxe reflexos no aspecto físico e emocional do menino, fez com que ele interagisse mais com todo mundo - conta o pai, o advogado César Palumbo Fernandes.
Embora o taekwondo seja uma modalidade que envolva chutes, isso não impede que Luigi aprenda os conceitos básicos e possa, inclusive, alcançar a faixa preta, como explica o mestre Tiago Brandão, faixa preta 4º Dan (veja no vídeo ao lado a rotina do menino na academia).

- Vi que ele tem bastante interesse e vontade de aprender. Sempre chega animado para as aulas. O importante é que ele faça algo que se sinta bem. Futuramente ele pode até se tornar um mestre, caso queira continuar se dedicando ao esporte.

A academia que Luigi frequenta, na região central da cidade, atende cerca de 100 crianças e adolescentes. O mestre Tiago Brandão tem graduação em Educação Física e ênfase no ensino adaptado para deficientes físicos, o que deu tranquilidade à família do menino.

Nos treinos, Luigi acompanha a turma em todas as atividades, desde a reverência às bandeiras do Brasil e da Coreia do Sul - como é tradição ao entrar ou sair do dojô - até a prática dos golpes de ataque e defesa. E se a hora é de brincar de pega-pega, por exemplo, Luigi também participa. Quando os colegas tentam ajudá-lo empurrando a cadeira a todo instante, os monitores orientam que é melhor para o menino que ele se locomova sozinho.
Menino brinca normalmente com os colegas no dojô (Foto: Hélder Rafael)Luigi brinca normalmente com os colegas no dojô (Foto: Hélder Rafael)
- É bacana que os outros também aprendem a conviver com ele - diz o mestre Brandão.

Luigi frequenta as aulas há pouco mais de um mês. Desde que fez os primeiros testes, se apaixonou e não larga o kimono. Até já ganhou medalha de segundo lugar em um festival por equipes. Perguntado sobre o que pretendia ser quando crescer, adivinha o que ele respondeu?

- Quero ser mestre - diz Luigi.

Incentivo dos pais é o que não vai faltar para o menino.

- A família entende que o esporte é fundamental para qualquer criança, e nós o incentivamos muito. Acho que ele deve ter sempre uma vida esportiva ativa, mas também gostaríamos que ele focasse na formação intelectual. Se o Luigi decidir ser um atleta profissional, vai ser fantástico - diz o pai.
Mosaico Luigi Palumbo taekwondo (Foto: Editoria de Arte/GloboEsporte.com)

Para ler mais notícias do Globo Esporte MS, clique em globoesporte.com/ms.

sábado, 26 de abril de 2014

" Aprecie o maior espetáculo de todos: A vida...viva como puder , do jeito que der mas NÃO seja coadjuvante na sua própria história!"


Frase na foto: " Aprecie o maior espetáculo de todos: A vida...viva como puder , do jeito que der mas NÃO seja coadjuvante na sua própria história!"

Descrição: Grupo de cadeirantes fazendo uma apresentação teatral, dois biamputados erguendo o corpo somente com os braços e apoiados na cadeira de rodas e dois cadeirantes com as mãos unidas e junto a eles um homem se equilibrando de ponta-cabeça entre as cadeiras,com várias rodas ao fundo formando um cenário.

Olha só a crítica que saiu no Cineweb.E você? Quando vai no cinema?


Veja a crítica completa aqui:
http://goo.gl/ntzOXi
...
Imagem: É noite, Gabriel está dirigindo uma bicicleta com o Léo na garupa. A rua está vazia.
Texto sobre a imagem: "Hoje eu quero voltar sozinho é um caso raro no cinema brasileiro – seja por sua temática ou sua abordagem intimista"" Por Alysson Oliveira

Brinquedos especiais estimulam aprendizado divertido, em Manaus

Crianças com dificuldade de aprendizado ou autismo têm jogos especiais.
Itens podem estimular áreas do cérebro, afirma pedagogo.

Camila Henriques Do G1 AM
1 comentário

Loja na Zona Centro-Sul da cidade é especializada em brinquedos educativos para todas as idades. (Foto: Camila Henriques/G1)Loja na Zona Centro-Sul da cidade é especializada em brinquedos educativos para todas as idades (Foto: Camila Henriques/G1 AM)
Mais que um mero passatempo, os brinquedos têm papel fundamental na formação das crianças. Para muitos pais, comprar os chamados brinquedos educativos para seus filhos é um investimento no futuro deles, principalmente se os pequenos possuem problemas na fala, dificuldade de coordenação motora, autismo ou Síndrome de Down.
Uma loja localizada na Avenida João Valério, Zona Centro-Sul de Manaus, é especializada em brinquedos feitos sob medida para o aprendizado das crianças. De acordo com a vendedora responsável por estes produtos, Jamyla Ferreira, a procura pelos jogos educativos é sempre alta. "Muitos pais vem até nós - especialmente os que têm crianças autistas ou com síndrome de Down -, assim como pedagogos, professores e psicólogos que trabalham com crianças e sabem da necessidade de estimular os sentidos delas", disse.
Jogos educativos podem estimular desenvolvimento da coordenação motora, percepção visual e até auxiliar na alfabetização.  (Foto: Camila Henriques/G1)Jogos educativos estimulam desenvolvimento
da coordenação motora e auxiliar na alfabetização
(Foto: Camila Henriques/G1 AM)
Jamyla ressaltou ainda que cada brinquedo trabalha com uma área do intelecto da criança. "Temos jogos específicos para coordenação motora, percepção visual, alfabetização, aprendizado de matemática, entre outros. Em termos de procura, os de encaixe estão sempre em alta, porque estimulam não só a coordenação, mas os sentidos, especialmente os coloridos", contou.
Na loja são encontrados brinquedos que podem ser utilizados por recém-nascidos a até itens para adolescentes de 14 anos com problemas motores. "É importante que os pais incentivem e mostrem que esses jogos também podem ser divertidos, para que a criança entenda e goste tanto ou até mais desses brinquedos em relação aos outros, mais modernos", frisou a vendedora.
Auxílio cognitivo
O professor e pedagogo Lédio Matias explicou que, se escolhidos corretamente, os brinquedos podem estimular áreas do cérebro. "O brincar faz parte do mundo da criança. Ali, ela está vivenciando experiências do futuro. Jogos educativos despertam a parte cognitiva dela", afirmou.
Outro ponto destacado pelo pedagogo é que o brinquedo educativo pode ainda auxiliar no lado afetivo da criança. "Ele ensina a lidar com frustrações, a antecipar questões da vida adulta e trabalha a socialização. O jogo, em si, desperta na criança logo cedo o discernimento de que ganhar ou perder faz parte da nossa trajetória. Durante o processo de alfabetização, é interessante fazer uso desses brinquedos paralelamente aos ensinamentos da escola.", acrescentou.
Segundo vendedora, procura é alta, tanto dos profissionais que trabalham com crianças, quanto dos pais (Foto: Camila Henriques/G1)Segundo vendedora, procura é alta, tanto dos profissionais que trabalham com crianças, quanto dos pais (Foto: Camila Henriques/G1 AM)
Para ler mais notícias do G1 Amazonas, clique em g1.globo.com/amazonas. Siga também o G1 Amazonas no Twitter e por RSS.
http://g1.globo.com/am/amazonas/noticia/2012/12/brinquedos-especiais-estimulam-aprendizado-divertido-em-manaus.html

Adeus, gesso! Estudante cria acessório que acelera cura de ossos quebrados

The Osteoid
http://m.canaltech.com.br/noticia/saude/Adeus-gesso-Estudante-cria-acessorio-que-acelera-cura-de-ossos-quebrados/
Se você já teve "a sorte" de quebrar um braço ou perna, com certeza deve ter passado pela experiência de ter o membro engessado por alguns dias ou semanas para que tudo voltasse ao normal. Há quem goste de colocar o gesso para deixar outras pessoas rabiscarem, mas muita gente acha a sensação bastante incômoda. Mas e se em vez de gesso você usasse um acessório feito a partir de uma impressora 3D?
Esse é o conceito do Cortex, um periférico de plástico que substitui o gesso tradicional por uma cobertura braçal toda vazada que, além de ser mais leve e livre de odores, dispensa todo aquele processo de engessar o braço e ainda permite que o usuário fique com o membro reto, sem precisar dobrá-lo. O projeto foi anunciado em junho do ano passado por Jake Evill, estudante da Victoria University of Wellington, na Nova Zelândia. O molde é impresso em terceira dimensão a partir de um raio X do osso quebrado do paciente.
O Cortex ainda não tem previsão para chegar ao mercado porque ainda está em fase conceito. No entanto, um novo protótipo baseado na mesma ideia promete dispensar de vez o uso do gesso e de quebra agilizar o processo de cura do osso danificado. Trata-se do Osteoid, um exoesqueleto semelhante ao Cortex e equipado com um dispositivo de ultra-som que acelera a cicatrização. As informações são do site The Verge.
Desenvolvido pelo estudante turco Deniz Karasahin, o Osteoid foi o projeto vencedor do Prêmio A'Design 2014, competição voltada para novas ideias na área da impressão 3D. Karasahin e sua equipe contam que o acessório é feito sob medida para cada usuário, é resistente a água e pode ser projetado em várias cores diferentes. "O objetivo é melhorar a experiência de todos quando o assunto é curar membros quebrados ou fraturados, concentrando-se no conforto do paciente e no tempo necessário para o corpo curar-se", dizem.
The Osteoid
Dispositivo que emite pulsos de ultra-som ajuda na cicratização de ossos quebrados. (Foto: Deniz Karasahin/A'Design Award)
O sistema de aceleração de cura do exoesqueleto é basicamente um sistema de baixa intensidade de pulsos de ultra-som (LIPUS, na sigla em inglês). De acordo com os criadores, dois conectores são plugados em uma das aberturas do acessório para ficar em contato direto com a pele na área lesada. Feito isso, o usuário com um osso quebrado precisa utilizar a braçadeira durante 20 minutos diários para acelerar o processo de cura, que chega a ser reduzido em 38%, para fraturas mais graves, e em até 80%, para as mais leves.
Para saber como está a recuperação do membro danificado, basta olhar para o gerador de pulsos. Segundo Karasahin, no centro do dispositivo existe um mecanismo de luzes que orienta o usuário sobre o estado do osso fraturado e do tempo de sessão dos pulsos de ultra-som. Por exemplo, se o paciente atingiu o tempo de 20 minutos de utilização do gadget, luzes começam a piscar e mudar de cor, indicando que chegou a hora de encerrar a sessão.
Karasahin afirma que o Osteoid levou quatro meses para ficar pronto. O próximo passo é a criação de um sistema de bloqueio que projete melhor o membro quebrado e acelere ainda mais o processo de cicatrização.

The Osteoid: peça é feita sob medida em uma impressora 3D. (Foto: Deniz Karasahin/A'Design Award)

quarta-feira, 23 de abril de 2014

Após “adeus” no Facebook, adolescente com câncer vira fenômeno na internet

stephenabre
Sempre alegre e otimista, o adolescente inglês Stephen Sutton recebeu um diagnóstico desesperador aos 15 anos de idade: de acordo com médicos, ele tinha um câncer terminal no intestino. Restariam a ele poucos anos de vida.
Em vez de se tornar pessimista e triste, Stephen resolveu aproveitar o tempo que restava a ele e criou uma página no Facebook, a Stephen’s Story, para narrar sua “aventura”. Há um ano, ele fez uma lista de “últimos desejos”, como saltar de paraquedas e bater um papo com seu comediante preferido. O primeiro pedido era o que parecia mais simples: ele fez uma campanha para que as pessoas fizessem doações a um fundo de apoio a crianças e adolescentes com câncer.
O objetivo inicial era arrecadar o equivalente a 37 mil reais. Nesta terça (22), pouco depois de publicar um “último adeus” no Facebook, ele conseguiu bem mais que isso: 3,7 milhões de reais.
Antes de chegarmos a esse post (emocionante, por sinal), vale lembrar um pouco a jornada de Stephen, hoje com 19 anos. A lista de desejos do rapaz tinha 46 itens e muitos deles foram cumpridos. A seguir, veja fotos de alguns deles:
stephen1
Desejo: abraçar um animal maior que ele
stephen2
Desejo: dar um salto espetacular
stephen3
Desejo: “surfar” em um bote inflável em um bar (!)
Eis que, na terça (22) à noite, Stephen publicou uma foto sorridente no Facebook para agradecer seus 206 mil seguidores “pela última vez”, pedindo desculpas por não conseguir se despedir pessoalmente de todo mundo que ele conhece. E aproveitou a importância de que as doações ao fundo de apoio a adolescentes com câncer, o Teenage Cancer Trust, continuassem.
stephen
Stephen seguiu escrevendo no Facebook sobre o estado de saúde dele – cada vez pior, já que ele está preso a um balão de oxigênio e não pode deixar a cama do hospital. “Estou numa posição muito vulnerável. Não sei o que ocorrerá em seguida”, disse. O que aconteceu? As doações ao fundo de apoio dispararam e chegaram à marca dos milhões.
Emocionado com a solidariedade dos desconhecidos, Stephen continuou agradecendo, desta vez no Twitter: “A situação toda é de tirar o fôlego. E de tantas formas!”, escreveu.

Na Inglaterra, a história de Stephen virou notícia. E tudo indica que a “aventura” do rapaz seguirá inspirando, por muitos anos, uma multidão disposta a ajudar quem enfrenta a luta contra o câncer. Para doar, é só clicar aqui.

Veja SP

sexta-feira, 18 de abril de 2014

O filme Hoje Eu Quero Voltar Sozinho está em cartaz!



Hey Curitiba!

O filme Hoje Eu Quero Voltar Sozinho está em cartaz!

Compre seu ingresso: http://goo.gl/gDRQl2

Espaço Itaú Curitiba – Sala 02 – 17h40 / 19h40 / 21h40
Cinépolis Pátio Batel - Sala 6 – 16h20 / 18h50
Cinemark Muller – Cine Cult – 19h40 (segunda e terça)

quinta-feira, 17 de abril de 2014

Acessibilidade nao é privilégio é necessidade!!!



 https://www.facebook.com/DeficienteSimSuperarSempre?fref=photo

Prefeituras da RMC discutem políticas voltadas à pessoa com deficiência

/include/handler/download.ashx?t=i&m=
/include/handler/download.ashx?t=i&m=
Gestores de municípios da região metropolitana de Curitiba participam nesta quarta-feira (16) do Fórum Metropolitano de Gestores Públicos de Políticas para Pessoas com Deficiência.<br />-Na imagem, O secretário de Assuntos Metropolitanos de Curitiba, Valfrido Prado.<br />Foto: Jaelson Lucas/SMCS
  • Gestores de municípios da região metropolitana de Curitiba participam nesta quarta-feira (16) do Fórum Metropolitano de Gestores Públicos de Políticas para Pessoas com Deficiência.<br />-Na imagem, A secretária dos Direitos da Pessoa com Deficiência, Mirella Prosdocimo.<br />Foto: Jaelson Lucas/SMCS

  • Gestores de municípios da região metropolitana de Curitiba participam nesta quarta-feira (16) do Fórum Metropolitano de Gestores Públicos de Políticas para Pessoas com Deficiência.
    Foto: Jaelson Lucas/SMCS
    Gestores de municípios da região metropolitana de Curitiba participam nesta quarta-feira (16) do Fórum Metropolitano de Gestores Públicos de Políticas para Pessoas com Deficiência. O encontro é realizado no auditório do Edifício Delta, na Prefeitura de Curitiba, e debate os principais programas e projetos para a inclusão da pessoa com deficiência.
    O secretário de Assuntos Metropolitanos de Curitiba, Valfrido Prado, falou da importância da integração dos municípios. "Tivemos a adesão de mais de 50% dos municípios e precisamos aproveitar o engajamento destes gestores para darmos um direcionamento de prioridades nas políticas públicas da pessoa com deficiência", disse Prado, que também expôs os serviços de parceria entra a secretaria e os 28 municípios que integram a região metropolitana.
    A secretária dos Direitos da Pessoa com Deficiência, Mirella Prosdocimo, apresentou a equipe de trabalho e alguns dos serviços que a secretaria da Pessoa com Deficiência realiza em Curitiba. Ela enalteceu a participação no fórum. "Fiquei surpresa com o número de gestores e isso demonstra que precisamos articular cada vez mais e provocar a esfera pública para promover os direitos da pessoa com deficiência", afirmou Mirella.
    O coordenador de Políticas Públicas e Defesa de Direitos da Secretaria Especial dos Direitos da Pessoa com Deficiência, Manoel Negraes, destacou que este é o momento para explorar e propagar as ações nos municípios vizinhos à Curitiba. "As políticas públicas só terão resultados expressivos com o comprometimento de gestores envolvidos e que provoquem as prefeituras a estabelecer políticas públicas voltadas à pessoa com deficiência", disse Negraes.
    O coordenador de atividades administrativas da Prefeitura de Pinhais, João Carlos Silveira Caldas, diz que a troca de experiência promovida pelo fórum é positiva. "Teremos um aproveitamento bastante rico nas informações e troca de experiências. É importante conhecer a atuação das duas secretarias", disse João Carlos.
    Nesta primeira reunião do fórum será aprovado o regimento interno com eleição de uma coordenação, que atuará como órgão de assessoramento na elaboração e implantação da Política Nacional para as Pessoas com Deficiência em Curitiba e nos municípios da região metropolitana.
    http://www.pessoacomdeficiencia.curitiba.pr.gov.br/noticias/gestores-da-rmc-discutem-inclusao/32627#.U1Br6y25fIV

    Veja como doar parte do Imposto de Renda para instituições de caridade



    Mais detalhes: http://www.pequenocotolengo.org.br/index.html

    quarta-feira, 16 de abril de 2014

    Pai desabafa sobre SUS: posso internar meu filho em estádio?

    O desabafo de um pai sobre as condições do hospital no qual o filho de 4 anos está internado repercutiu nas redes sociais. A postagem, de 9 de abril, tinha, até as 19h30 desta sexta-feira, mais de 6 mil compartilhamentos.
    Alexandre Blauth conta que o filho está no Hospital da Criança Conceição, em Porto Alegre. Segundo ele, há uma “briga ferrenha por: esparadrapos, antibióticos, etc”. Ele ainda reclama das condições de limpeza do local.
    Blauth compara as condições do Sistema Único De Saúde (SUS) aos investimentos feitos para a Copa do Mundo de Futebol e criticou a fala de Pelé de que “não se faz Copa com hospital” – na verdade, a frase foi dita pelo também ex-jogador Ronaldo Nazário.
    “Senhor pelé, tem esparadrapo no maracana, no beirario ou na arena do gremio? Posso internar meu filho em algum desses estadios? O exame que meu filho tem que fazer tem lá? (SIC).”
    O Terra entrou em contato com o hospital para saber um posicionamento da instituição sobre os problemas. Até o horário de publicação, não houve resposta.
     
    Terra

    terça-feira, 15 de abril de 2014

    Mãe comenta emoção de ver o filho com paralisia andando pela primeira vez

    Lorenzo Dutra, de 7 anos, está usando equipamento há menos de uma semana e já apresenta avanços. 'Nossa vida mudou', diz Priscila


    GSHOW
    Lorenzo está se adaptando ao upsse, equipamento que ajuda crianças com paralisia cerebral (Foto: Encontro com Fátima Bernardes/TV Globo)Lorenzo está se adaptando ao Upsse, equipamento que ajuda crianças com paralisia cerebral (Foto: Encontro com Fátima Bernardes/TV Globo)
    No Encontro de hoje, Fátima conheceu Lorenzo Dutra, menino de 7 anos portador de paralisia cerebral, que agora conta com a ajuda de um equipamento chamado Upsee para se locomover. A invenção, criada por uma israelense e desenvolvida por uma empresa da Irlanda do Norte, mantém a criança presa ao corpo do pai ou da mãe e permite que ela realize movimentos simples.
    Em visita à casa de Lorenzo, a repórter Gabriela Lian conversou com a família do menino, que começou a usar o aparelho na última sexta-feira, 11. "Foi uma sensação bem gostosa para mim. Ele tem andador, fica em pé na terapia, mas andar com ele foi a primeira vez. Estava mais ansiosa que ele. Talvez ele até interaja mais com o ambiente, com as pessoas", contou Priscila, mãe do garoto, cheia de perseverança: "A gente está acostumado a vê-lo na cadeirinha, no colo. É uma novidade muito boa na vida dele".
    Feliz com as conquistas, a mãe citou os avanços do menino. "No primeiro dia que ele usou, sorriu, acordou dando gargalhadas. Usamos o equipamento no sábado e saímos com ele no prédio. O Lorenzo conseguiu pegar a plantinha, ver os brinquedos, entrar na casinha. Foi muito emocionante. Sempre tive o sonho de andar de mãos dadas. Nossa vida mudou", disse ela, que completou: "Ele ainda está entendendo que pode se locomover com o equipamento. Está sendo muito bom e vivenciar isso com ele, é algo que eu não imaginava".
    Sobre os benefícios da tecnologia, o Dr. Fernando Gomes Pinto mostrou otimismo. "O maior é inclusão, contato com os pais e ficar de fato de pé, para treinar o sistema cardiorrespiratório. A possibilidade andar com os pais é fantástica"
    Saiba tudo sobre novelas, programas de variedades e reality shows da TV Globo! Veja também receitas, dicas de estilo e conteúdos exclusivos só para a web. Conheça o Gshow!

    Paraplégica há oito anos, inglesa volta a andar graças a pernas biônicas

    A inglesa Jordan Bone, de 23 anos, não cabe em si de felicidade. Paraplégica desde os 15, após um acidente de carro, a jovem já fica de pé e até caminha, graças a pernas biônicas. As informações são do Mail Online.

    A moça, que teve uma fratura no pescoço e ficou imobilizada da cintura para baixo, acreditava que nunca mais fosse voltar a andar. Empolgada com sua nova condição, Jordan ficou emocionada ao poder ficar de pé para abraçar a mãe e o namorado. “É uma sensação incrível. A melhor parte foi poder dar a minha mãe e meu namorado um abraço em pé. Todos nós nos sentimos tão felizes. Eu me sinto animada”, afirmou a jovem, que mora em South Wootton, Norfolk.

    Um terno biônico amarrado sobre as roupas de Jordan permite que ela fique de pé. A tecnologia usa bateria de motores que permite que o usuário possa se levantar e, em seguida, mover suas pernas. Com a ajuda de um andador, Jordan conseguiu dar 645 passos. “Quando eu era jovem, parecia muito difícil. Agora me sinto determinada e eu só quero deixar o meu corpo forte e saudável”, disse a inglesa.

    Jordan, que dirige sua própria loja de roupas vintage, tem sessões de fisioterapia no Prime Physio, em Cambridge, para recuperar sua força e aprender a usar as pernas novas. Ela também está lançando uma campanha de segurança rodoviária destinada a jovens motoristas. “Meu projeto é fazer com que eles pensem sobre as escolhas que fazem nas estradas. Quero eles percebem que estão no controle de um veículo e que eles precisam pensar nos passageiros, pedestres e outros motoristas”, discursou a jovem, que ainda acrescenta: “Você só tem uma vida e deve fazer mais por ela. Se eu puder salvar uma vida, então, saberei que eu fiz o meu trabalho. Isso vai fazer com que me sinta incrível.”

    http://extra.globo.com/

    segunda-feira, 14 de abril de 2014

    Tudo fica facil quando se quer!!!Jogar em LIBRAS E BRAILLE!!!


    Hoje recebi o Nelson e o Luiz que vieram apresentar um projeto de brinquedo inclusivo totalmente acessível para surdos e cegos. O mais bacana, além das crianças com e sem deficiência brincarem juntas, é que se aprende Libras e Braille brincando.
    https://www.facebook.com/maragabrilli?fref=photo

    Dica de Filme: Dança das Cadeiras


      
       Um conto romântico de dois nova-iorquinos, Armando Ortiz e Mia Franklin,  e seu encontro improvável. A história conta como os dois se unem através de seu amor pela dança de salão.

       Mia é uma dançarino profissional bela e vivaz. Armando trabalha no estúdio de dança de Manhattan em troca de lições e fantasia de um momento em que ele vai dançar com Mia. 

        Mas um trágico acidente muda para sempre a vida de Mia. Após um acidente de carro, a dançarina acaba hospitalizada e perde os movimentos das pernas. Ao vê-la devastada e sem perspectivas, o aspirante a dançarino Armando tenta convencê-la a participar de uma competição de dança de cadeiras de rodas.
        Fiel ao seu coração, Armando dedica-se, junto com um grupo de desajustados coloridas, para ajudar a superar seus desafios Mia dolorosas e dançar mais uma vez.
       Assista o trailer do filme:


    Infelizmente não achei o filme para ser assistido online. Mas se você achar, por favor nos envie!





    Colocar-se no lugar do outro é um ótimo exercício para compreender as suas "necessidades".

    https://www.facebook.com/cantinho.doscadeirante?fref=photo

    domingo, 13 de abril de 2014

    Inclusão também nos parquinhos!!!!



     Esse da foto é o primeiro do projeto Anna Laura Parques Para Todos (ALPAPATO), recém inaugurado em São Paulo, na sede AACD Mooca. Lá tudo é acessível: caminhos, brinquedos e atividades bacanas para crianças com e sem deficiência brincarem juntas. Em breve, o projeto chega a várias outras cidades. #diadepraça
    (Foto: ALPAPATO)
    https://www.facebook.com/paisefilhos?fref=photo

    Paranaense com QI de gênio cria tecnologia para deficientes




    Michele de Souza tem um QI de gênio e síndrome de Asperger, a mesma que acometeu grandes físicos como Newton e Einstein. Ela cria equipamento de acessibilidade e reabilitação com tecnologia boa e barata para ajudar deficientes de todas as classes sociais.



    GAZETA DO POVO

    sábado, 12 de abril de 2014

    Software educacional de apoio ao ensino de deficientes intelectuais



     

    pqparticipar1
    http://www.minasdown.com.br/software-educacional-de-apoio-ao-ensino-de-deficientes-intelectuais/

    O “Projeto Participar”, foi desenvolvido por Tiago Galvão e Renato Domingues sob supervisão do professor Wilson Veneziano como trabalho de conclusão do curso de Ciências da Computação da Universidade de Brasília (UnB).
    O software educacional  é uma ferramenta pedagógica de apoio a professores atuantes no processo de alfabetização de jovens e adultos com deficiência intelectual. 
    Para garantir que os alunos se familiarizem com o software, os desenvolvedores convidaram dois jovens, um rapaz e uma moça, com Síndrome de Down para gravar os vídeos que explicam as atividades.”Isso cria um laço com quem usa o programa. Ele se torna menos hostil”, acredita Maraísa Borges. A especialista ressalta que os deficientes intelectuais não se resumem a quem tem Síndrome de Down, mas sim a todos que têm dificuldades cognitivas de aprendizagem.
    Para acessar o site do Projeto, Clique Aqui.
    Para fazer o download do software Participar, Clique Aqui.
    -

    Educação Inclusiva Pelo Mundo - Londres - Andréa Bonoli


    sexta-feira, 11 de abril de 2014

    Uma deficiência, uma amizade e um encontro emocionante (Legendado PT-BR)


    quinta-feira, 10 de abril de 2014

    Dispositivo elétrico devolve movimentos a homens com paralisia

    Intervenção foi feita em quatro pacientes que haviam perdido grande parte de suas funções motoras há pelo menos dois anos. Com o tratamento, eles conseguiram realizar movimentos voluntários nos pés e quadris

    Os pacientes Andrew Meas, Dustin Shillcox, Kent Stephenson e Rob Summers foram submetidos a um tratamento com estimulação elétrica para recuperarem suas funções motoras
    Os pacientes Andrew Meas, Dustin Shillcox, Kent Stephenson e Rob Summers foram submetidos a um tratamento com estimulação elétrica para recuperarem suas funções motoras (Louisville University)
    Pesquisadores anunciaram nesta terça-feira que quatro homens que haviam perdido a função motora do tórax para baixo há anos recuperaram a capacidade de realizar alguns movimentos voluntários. Isso foi possível após médicos terem implantado um dispositivo de estimulação elétrica na medula espinhal dos pacientes que imita os sinais transmitidos pelo cérebro para iniciar algum movimento.
    Embora esses indivíduos não tenham voltado a andar, os especialistas consideram que o feito oferece esperança para o tratamento de pessoas que sofreram paralisia e que ouviram de especialistas que nada poderia ser feito para que os movimentos fossem recuperados.
    O caso dos pacientes foi relatado em um artigo publicado no periódico Brain. Os pesquisadores responsáveis pelos testes com o dispositivo elétrico são das universidades de Louisville e da Califórnia em Los Angeles (UCLA), nos Estados Unidos, e do Instituto de Fisiologia Pavlov, na Rússia.
    Estudo inicial — A pesquisa se baseou em um estudo publicado em 2011 que relatava o caso do ex-jogador de baseball Rob Summers. Ele perdeu os movimentos do tórax para baixo após sofrer um acidente de carro em 2006, mas recuperou parte de suas funções motoras com o implante desse mesmo dispositivo elétrico. A comunidade científica recebeu esses resultados com cautela, considerando que eles precisariam ser replicados em mais pacientes.
    O novo trabalho detalhou os efeitos da intervenção em outros três pacientes — os americanos Kent Stephenson, Andrew Meas e Dustin Shillcox —, além de relatar novos testas realizados no ex-jogador.
    Todos os quatro pacientes eram classificados como portadores de dor crônica e de deficiência física por lesão medular, e haviam perdido os movimentos há pelo menos dois anos antes da intervenção. Dois deles também apresentavam uma lesão sensorial completa – ou seja, perderam não só os movimentos, mas também a sensibilidade nos membros lesionados — e acreditava-se que não havia chance de eles se recuperarem.
    De acordo com os pesquisadores, os pacientes foram capazes de recuperar alguns movimentos voluntários imediatamente após o implante e a ativação do dispositivo, um resultado considerado “muito surpreendente” pelos especialistas. “Devido à estimulação, agora eles conseguem mover voluntariamente os seus quadris, tornozelos e dedos do pé. Isso é inovador e oferece uma nova perspectiva de que a medula espinhal, mesmo após lesões graves, tem um grande potencial de recuperação”, diz Claudia Angeli, professora do Centro de Pesquisa em Lesões da Medula Espinhal da Universidade de Louisville (KSCIRC, sigla em inglês) e uma das autoras do estudo. 
    A pesquisa também mostrou que o tratamento ofereceu outros tipos de benefícios à saúde dos pacientes, como aumento da massa muscular, controle da pressão arterial e redução de episódios de fadiga muscular.
    Técnica — O dispositivo implantado nos pacientes emite uma corrente elétrica com frequências diferentes em locais específicos da medula espinhal responsáveis por controlar o movimento dos quadris, joelhos, tornozelos e dedos do pé. De acordo com o estudo, conforme os testes foram sendo realizados, os participantes se tornaram capazes de realizar movimentos voluntários cada vez com menos estimulações. Para os autores, isso demonstra a habilidade que a medula tem em aprender e melhorar funções do sistema nervoso. “A crença de que nenhuma recuperação é possível na paralisia completa acaba de ser desafiada”, diz Susan Harkema, diretora do KSCIRC e responsável pelo primeiro estudo sobre o caso do ex-jogador de baseball Rob Summers.


    Veja