sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

Vaca de estimação recebe prótese para não ser sacrificada


Pata traseira direita do animal precisou ser amputada após uma fratura. A dona, que estava disposta a encontrar uma solução, se uniu a um médico veterinário e um fabricante de próteses para salvá-la

Daniela Jacinto
daniela.jacinto@jcruzeiro.com.br

Há uma semana a vaca Neguinha está se adaptando à prótese que foi colocada em sua pata traseira direita, que precisou ser amputada após uma fratura. A prótese salvou a vida de Neguinha, que estava condenada ao sacrifício. No Brasil, a única notícia que se tem sobre animal de grande porte que conseguiu uma prótese é a de um cavalo, em Goiás. Conforme Nelson Nolé, proprietário da Ortopedia Conforpés, especializada na fabricação desses materiais em Sorocaba, provavelmente a prótese em uma vaca seja a primeira no país. 

Para a confecção do material, Nolé precisou estudar e obter informações com um veterinário. "A gente nunca se nega a ajudar, mas tive de fazer uma pesquisa porque não tinha parâmetros, além disso trata-se de um animal que pesa 400 quilos", diz. Ele acredita que a partir dessa experiência podem surgir mais solicitações e também passar a ser procurado por estudantes interessados em saber os detalhes desse trabalho.

Nolé explica que para fazer a prótese, precisou levar a perna amputada da vaca a fim de estudar a melhor forma de fazer o material. A prótese foi colocada na semana passada, dia 15 de janeiro, e após a completa cicatrização do ferimento (a vaca ainda está em recuperação da cirurgia), pode ser que seja trocada por outra que permita mais mobilidade.

O caso ganhou repercussão e mais uma pessoa, agora de Mogi Mirim, encomendou uma prótese semelhante também para uma vaca. "É uma veterinária que improvisou uma espécie de bota para a vaca, mas ela quer a prótese e vamos fazer", garantiu Nolé, que já fez prótese para tartaruga, avestruz, gatos e cachorros.

Tudo para salvar Neguinha

A advogada Nilza Nastasi, proprietária de Neguinha, conta que no dia 26 de dezembro, a vaca quebrou a pata traseira direita e, preocupada, Nilza ligou para muitos veterinários, porém ninguém se interessou em ajudá-la a salvar o animal. Um deles, no entento, se deslocou até a chácara de Nilza, situada em Araçoiaba da Serra, com a intenção de convencê-la a fazer o sacrifício. "Ela é que acabou me convencendo a fazer a cirurgia", diz Nelson Corrêa de Lara, que abraçou a causa e passou todas as informações para o outro Nelson, da Conforpés.

Lara afirma que como veterinário a pior coisa que existe é ter de fazer o sacrifício, mas explica que por se tratar de um animal de produção, teoricamente teria de sacrificar. "Geralmente o animal é sacrificado pelo alto custo para manter assim (debilitado), mas como a Nilza não depende financeiramente do animal e tem um amor muito grande, então nos empenhamos para salvar", diz.

Ainda conforme Lara, se o contato de Nilza tivesse sido três dias depois da fratura, ele teria conseguido colocar um pino e uma placa no animal e o teria poupado da amputação. Mas como o tecido de Neguinha já estava necrosado, ela passou pela cirurgia no dia 4 de janeiro e nesse mesmo dia Nolé fez o molde para a prótese.

Sem prótese, explica Lara, o animal não teria condições de sobreviver. "Faltaria 25 centímetros para conseguir apoiar o osso no chão, ela tentaria se levantar e cairia, e então sofreria mais fraturas".

Órfã

Neguinha é órfã. A mãe morreu no parto e, desde então, tem sido cuidada com muito carinho por Nilza e seu marido, Celso. A vaca é uma mistura das raças Girolanda com Nelore, mas não tem muito valor de mercado. "Calculo que ela vale em torno de R$ 2,5 mil apenas, mas é uma boa produtora de leite, rendendo 15 litros por dia. Isso sem a gente estimular", conta Nilza.

Hoje, com 10 anos de idade (uma vaca pode chegar até aproximadamente 16 anos), Neguinha já teve mais de 10 filhotes. "Mas salvamos ela não pela produção de leite, é que gostamos dela mesmo e eu não queria sacrificar, daí meu marido lembrou do Nelson Nolé, de um programa da televisão, e então resolvemos ir atrás dele", diz.

Nilza lamenta o descaso de muitos veterinários. "Liguei inclusive para um hospital de animais em Tatuí, mas eles não estavam preocupados em salvar o animal, mas sim com a parte financeira. Queriam saber o valor da vaca para saber quanto cobrar. Minha vaca ficou nove dias sofrendo, no entanto os dois Nelsons aceitaram me ajudar e ainda não cobraram nada".

Como Neguinha é uma vaca de boa lactação, agora a meta para o próximo ano é fazer inseminação artificial e o parto dela. "Dessa forma a vaca voltará a produzir leite", diz Lara.

Para os dois Nelsons e a família, ficou uma lição de que tudo é possível quando se tem o recurso e a vontade. "Estou muito feliz e mais uma vez eu acredito em mim, quando eu falo que vai dar certo é porque vai dar. E deu. Minha fé salvou a Neguinha.", conclui Nilza.
http://www.cruzeirodosul.inf.br/acessarmateria.jsf?id=449269

Um comentário:

Vanessa Gaia disse...

Que lindooooooooooooo, por isso não devemos comer esses seres tão amáveis...beijos...